4 de agosto de 2015

Semana do Romantismo - Segundo dia

Primeiro amor


Foi numa noite clara e fria
Quando a lua brincava e ria
Que o meu coração se revelou
Seu estado tão lindo de amor
Sua vitória tão fácil da dor
Que sempre perseguiu e o calou.


Foi sob a névoa baixa e alva
Que a paixão escrava fez-se salva
E em mim alegria brotou
Foi esta magia inovadora
No meu coração moradora
Que mudar-me intensamente ousou.


E foi nesta noite esgotada
Que a pomba clara fez pousada,
Trazendo a mim eternos sonhos.
Quando a madrugada já reinava
Eu ainda tão feliz sonhava,

O meu amor puro e risonho.


Foi quando a aurora já surgia
Que o meu sofrer se ia
E só felicidade havia em mim.
Mas foi embalado por uma canção
Que senti no mais íntimo do coração
Um maravilhoso amor, enfim.


Nesta altura do tempo ido
O mal de um coração sofrido,
Já se despedia no ar de repente.
E apesar de nunca ter amado
Senti-me completamente embalsamado
Por um amor experiente.


Falava ao vento com ciúme,
Às flores do doce perfume,
Vão, e não tragam nunca dor!
Sonhem meus sonhos agora,
Sonhem um amor aí fora,
Mas jamais levem meu primeiro amor.  




(SANTOS, Carlos. Fases. São José dos Campos: CJS Edições, 2011)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua impressão! Será uma honra conhecer sua opinião.